Inoculante biológico aumenta produção de massa verde pelo pasto em até 22%

Inoculante biológico aumenta produção de massa verde pelo pasto em até 22%

Biotecnologia promove associação de microrganismos vivos que aumentam a massa radicular da pastagem e potencializam absorção dos nutrientes NPK

Uma parceria público-privada entre a Embrapa Soja e a empresa Biotrop acabou de disponibilizar ao mercado uma biotecnologia que promete aumentar em até 22% a produção de massa verde pelo pasto de modo sustentável. Trata-se do inoculante biológico Pastomax, um kit de três componentes líquidos com microrganismos vivos que aumenta a absorção de nitrogênio, fósforo e potássio pela planta.

“Foram vários anos de pesquisa, de inovação e desenvolvimento para trazer ao pecuarista uma solução que seja confiável, uma solução que entregue os resultados que são esperados. Nós fizemos essa parceria público-privada com a Embrapa, uma instituição que é referência tanto na agricultura quanto na pecuária, e fizemos uma série de estudos em diferentes pastagens, em diferentes regiões do Brasil para realmente entender o que a tecnologia biológica poderia agregar. E os resultados foram realmente surpreendentes e nos levaram então ao lançamento dessa ótima tecnologia”, celebrou a bióloga, mestre, doutora e pós-doutora em genética e biologia molecular Juliana Marcolino em entrevista ao Giro do Boi desta segunda, 30.

A especialista explicou como a tecnologia atua na pastagem de forma a aumentar sua capacidade produtiva. “Ao utilizar o Pastomax, você aumenta significativamente o volume radicular. E claro que uma planta que consegue explorar melhor o solo vai ter um desenvolvimento diferenciado, vai ter então esse aumento, esse incremento na biomassa da forragem”, apontou.

Para tanto, o inoculante faz a associação de microrganismos que têm propriedades multifuncionais, (Azospirillum brasilense e Pseudomonas fluorescens) e potencializam a absorção de NPK. “A gente tem um aumento de quase 20% (de absorção) do nitrogênio na forrageira, tem 15% de potássio e mais de 30% a mais de fósforo quando a gente utiliza o Pastomax”, quantificou a bióloga.

Conforme consta em material divulgado pela Embrapa, o “inoculante multifuncional já está disponível para os produtores, por intermédio de uma parceria público-privada entre a Embrapa e a empresa Biotrop, que está lançando o pacote tecnológico denominado PASTOMAX. O pacote é composto de um kit com três produtos: PASTOMAX PK (Pseudomonas fluorescens); PASTOMAX N (Azospirillum brasilense) e PASTOMAX Protege (aditivo protetor, visando a proteção das bactérias contra dessecação e raios solares)”. Leia na íntegra o artigo lançado pela Embrapa Soja: Inoculação multifuncional visa revolucionar as pastagens brasileiras.

A aplicação da tecnologia na pastagem pode ser feita de duas formas. “O pecuarista pode aplicar tanto no tratamento de sementes, quando ele estiver fazendo a implantação ou renovação de sua área, como fazer essa aplicação via pulverização naquelas áreas que já estão implantadas”, indicou.

Inoculação de sementes de forrageiras pode substituir fertilizantes por custo dez vezes menor

Além de resolver um problema pontual de aumento da produtividade do pasto, a tecnologia pode atuar também em um do principais desafios da pecuária brasileira no cenário macro. “Aumentando a biomassa, por exemplo, você evita que o solo fique descoberto. Um grande problema que a gente tem nas áreas degradadas é esse solo descoberto, que fica exposto ali para sofrer erosões e um grau mais severo de degradação. Então a gente tem o Pastomax entrando para aumentar a biomassa, o que aumenta a cobertura dessas áreas, aumenta a rentabilidade, a produtividade e aumenta a concentração dos principais nutrientes”, sustentou.

A pós-doutora em genética e biologia molecular disponibilizou os contatos com a Biotrop para que os pecuaristas possa saber mais detalhes da tecnologia biológica, como o próprio valor do investimento:

https://www.girodoboi.com.br/noticias